A série canadense Anne With an E, é uma série encantadora e capaz de levar você para além da imaginação.

Não é a toa que a série foi cancelada na terceira temporada, pois embora ela se passe em 1890, os temas e frases encantadoras e enigmáticas que surgem na série, nunca se fez tão presente.

A série é uma adaptação dos livros Anne of Green Gables, lançados no começo do último século pela autora Lucy Maud Montgomery.

Com milhares de fãs no mundo todo e frases impactantes, a série acompanha a história de uma órfã aventureira e revolucionária que é adotada por engano por um casal de irmãos. Irmãos estes que nos ensinam tanto sobre doação, solitude e compaixão.

Quando a jovem de 13 anos chega em Avonlea para a casa de sua nova família, que na verdade pretendia adotar um menino que os ajudassem com tarefas da fazenda, ela surge para fazer uma transformação e uma revolução, cheia de comoção na vida das pessoas ao seu redor.

Anne, é uma inspiração, para a forma como muitas vezes enxergamos nosso passado, pois mesmo com um passado traumático no sistema de adoção, tendo sido adotada anteriormente por famílias abusivas que a devolviam sempre que não precisavam mais. Seu espírito livre e sua imaginação a transformaram na grande pessoa humana que ela é, e com isso trouxe novos ares para o pacato vilarejo.

Anne não a única personagem peculiar da trama, que inspira reflexões muito atuais sobre temas delicados como sexismo, homofobia, racismo, entre outros assuntos.

E por este motivo trago aqui algumas das frases, que mais impactaram a série, já citadas no blog da Exitoína:

“Não é o que o mundo reserva pra você, mas o que você traz para o mundo.” Quando seu amigo Cole Mackenzie se encontra em um momento de grande tristeza, acreditando que não há lugar onde ele pertença no mundo, Anne o abraça e o faz lembrar que ele tem muito a oferecer e é isso que realmente importa.

“Você tem uma vida de muita alegria pela frente. Não sem momentos difíceis e tropeços na estrada. Fique seguro com aqueles em quem confia.” Josephine, tia da melhor amiga de Anne, recebe Cole de braços abertos. Quando o rapaz lhe confessa que acredita ser homossexual, ela o acolhe e dá conselhos valiosos a partir de sua própria experiência.

“A melhor parte de conhecer as regras é encontrar uma maneira aceitável de quebrá-las”. Colega de estágio de Gilbert Blythe, Winifred Rose vai a um encontro com o rapaz e demonstra que usa a astúcia para quebrar as regras sociais rígidas do século 20, sem deixar de viver aquilo que deseja para se enquadrar nas normas.

“Pesadelos não são tão assustadores sem a proteção do escuro.’ Ao completar 16 anos, Anne decide procurar saber mais sobre seus pais, que morreram quando ela era apenas um bebê. Para conseguir informações, ela retorna ao orfanato onde passou a maior parte de sua vida e é confrontada com os traumas do passado. Apesar de ser uma experiência intensa, ela consegue ver as coisas por uma perspectiva diferente. Muito trabalho de luz e sombras que somos todos nós.

“Ame quem você ama e fique com essa pessoa.” A história da série se passa a partir de 1890 e, na época, pessoas LGBT ainda eram criminalizadas pelo governo. Quando Cole confessa a Anne que acredita “ser como a tia Josephine”, que viveu com outra mulher, ela agradece a chance de saber e diz que ele deve estar com quem ama, independentemente do que dizia a lei. A frase é também encorajadora para pessoas da comunidade nos dias de hoje, em que a homofobia ainda existe.

“Nós, mulheres, poderosas e sagradas, declaramos nesta noite santificada que nossos corpos divinos pertencem a nós mesmas. Escolheremos a quem amar e em quem confiar. Caminharemos nesta Terra com graça e respeito. Sempre teremos orgulho do nosso grande intelecto. Honraremos nossas emoções para que nossos espíritos triunfem. E se algum homem nos desmerecer, mostraremos onde fica a porta. Indestrutível é a nossa força. E livre é a nossa imaginação.”
Inconformadas com a falta de informações disponíveis sobre o corpo e a sexualidade feminina, Anne e suas amigas de escola realizam um pequeno ritual de reafirmação e dizem estas palavras ao redor de uma fogueira na floresta, no meio da noite. É um momento de união e sororidade.

“Jornalismo de verdade deve defender aqueles que não possuem voz, não calá-los ainda mais.” Com essa lição da senhorita Stacey, que organizou um jornal para os alunos, Anne e seus colegas de classe organizam um protesto pela liberdade de imprensa e declaram que “liberdade de expressão é um direito humano.”

“As pessoas enxergam o que desejam, independente da verdade.” Em conversa com Anne após ser julgada pelos moradores de Avonlea, a professora Stacey passa outro valioso ensinamento. Muitas vezes, a opinião que as pessoas formam sobre nós diz mais sobre elas e isso não deve nos abalar. Mais um ensinamento sobre projeção.

Como dissemos inicialmente, não foi a toa que a série foi cancelada em novembro do último ano, afinal ela mostra que julgamentos, pré-conceitos e a falta de empatia, ainda é uma constante mesmo em nossos dias atuais. Torcemos para que os fieis fãs que com suas campanhas consigam salvar Anne with an E do fim repentino.  

E termino com uma frase inspiradora de Ann (sem E) Druyan em comemoração do Dia Internacional das Mulheres na Ciência:

“Porque separamos o científico, que é apenas uma maneira de buscar pela verdade, daquilo que consideramos sagrado, que são aquelas verdades que inspiram nosso amor e nossa reverência? A ciência nada mais é que uma infindável busca pela verdade. O que pode ser mais profundamente sagrado que isso? Tenho certeza que a maior parte daquilo que nos é mais caro e precioso, aquilo que todos nós acreditamos ser verdade neste exato momento, vai acabar revelando-se, em algum momento futuro, como um mero produto do nosso tempo, de nossa história e de nosso entendimento da realidade. Então temos este processo, esta maneira, este mecanismo que serve para encontrar pedaços da realidade. Nenhum pedaço individual é sagrado. Mas a busca é.”

As Tecelãs